Resposta ao síndico – 28/03/21

Em atenção aos documentos emanados do síndico atual e conjuntamente subscrito pela síndica anterior, me senti no dever e obrigação de responder de forma clara, didática e usando de toda gentileza para por um ponto final ou pelo menos erradicar dúvidas ou questionamentos que possam gerar demanda judicial futuramente.

Passamos a listar o texto de documentos recebidos no dia 27 de março de 2021:

 “COMUNICAÇÃO

Comunicamos aos condôminos que, no dia 22 de janeido de 2021 foi descoberto o furto de 150 metros (aprox. 5OKg) de cabo de cobre do para-raio deste prédio, imediatamente, foi providenciado a reposição de todo material para que o condomínio não sofresse danos físicos e materiais caso acontecesse de cair um raio no telhado. Ocorre que, ao fazer a reposição da fiação constatou-se a instalação de 06 (seis) compressores de ar condicionado na área comum, os quais pertencem a unidade 2801. Perguntado sobre a autorização para instalação, reportou ter sido autorizado pelo Dr.Allan Rendeiro, 601 Síndico e recebedor das chaves e material junto a Construtora Freire Mello.

Diante da situação, segue abaixo fatos e providências tomadas:

Da Gestão Anterior

1- Identificação do furto por ocasião de coleta de água da cistena para análise de rotina;

2- Refazimento de todo cabeamento de para-raio;

3- Troca do segredo da fechadura da porta de acesso ao telhado com inclusão de cadeado;

4- Comunicado ao morador da unidade 2801 sobre os itens acima, visto que o mesmo possuía uma via da chave original;

5- Ampliação do sistema de monitoramento com colocação de câmera proximo a referida porta;

6- Imediata comunicação a delegacia feito através de BO, para instauração de IP.

Da Gestão Atual

1- Solicitado na esfera administrativa a retirada dos compressores, pois trata-se de área comum e foi colocado sem anuência dos demais proprietários, pois o síndico não tinha competência legal para tal autorização;

2- Chamada de uma empresa especializada para fazer a avaliação e constatou-se que: o prédio corria iminente perigo caso não fosse feito o aterramento imediato dos compressores. Foi comunicado ao proprietário que está providenciando;

3- Será solicitado um Laudo a Construtora Freire Mello e Corpo de Bombeiros para avaliar a compatibilidade da situação;

4- Avaliação dos Laudos solicitados e publicidade aos moradores;

5- Convocação de AGE para decisão do caso, considerando o resultado da avaliação dos laudos do item acima;

6- Anexo: laudo Técnico” *de 25 de março de 2021.

Logo em seguida recebi pelo Aplicativo Whatsapp no Grupo do Condomínio Ilha de java o que reporto a seguir:

“Companheiro, mais uma vez lhe peço que repense sua publicação, acredito que você  queira  se situar no tempo, o que é totalmente diferente  de transparência, a realidade do comunicado é transparente, até  porque o inquérito  será esclarecedor, e o que afirmar será  mera suposição. A administração  fica a disposição  para esclarecer qualquer  coisa referente aos fatos, remeta suas dúvidas e responderemos pelos canais  competentes, até  porque  em nenhum momento você  confirmou ou negou que tenha dado  permissão para colocar os compressores estado investido na função  de síndico.” *grifo nosso.

De forma sucinta e objetiva, solicito por direito e amparo legal que me sejam respondidos os seguintes quesitos:

  1. A descoberta do desaparecimento do cabos de cobre do para-raios foi no dia 22 de janeiro de 2021, e por que não foi informado aos moradores sobre o ocorrido, e provavelmente quanto tempo o prédio ficou sem a proteção pois danos e perdas ocorridas neste período devem ser responsabilidade do condomínio. A síndica teve várias oportunidades para informar a todos mas preferiu dar ênfase a tentativa de mudar o estatuto e tentar a terceira reeleição.
  2. Qual dos dois subescritores é o responsável pela afirmação inverídica e desairosa de que eu havia autorizado instalação de equipamentos em área comum. Processarei na forma da lei estas ilações, o autor de tal calúnia. Até por que todos meus atos quando síndico em 2014 estão registrado nos livros de ata que foram devidamente entregues ao síndico que me sucedeu.
  3. A referência da palavra “chaves” informo que constam dos inventário de recebimento também arquivados no rol de documentos sob a guarda do síndico. E se pretendem associar a causa e efeito da afirmação abaixo, deixo claro de antemão que tomarei as medidas cabíveis uma vez que se o mesmo possuía chaves, quem as forneceu não fui eu.

“4- Comunicado ao morador da unidade 2801 sobre os itens acima, visto que o mesmo possuía uma via da chave original; “

  • Se realmente foi feito o Boletim de Ocorrência e este gerou um Inquérito Policial, solicito a cópia destes para as medidas cabíveis e de direito já que sou proprietário de uma unidade, condômino com minhas obrigações em dia e amparado pela legislação.

Espero que vossa senhoria tenha entendido meus quesitos e os responda com clareza para assim acabar com dúvidas e obscurantismo nas informações.

Cordialmente.

Belém, 28 de março de 2021.

Allan Henrique Fernandes Rendeiro

Apto. 601

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 − quatro =