Espelhos da Alma 02

A ídeia deste texto surgiu de uma amigável discussão e que me propus a mostrar qual a visão técnica sobre “Normalidade e Homosexualidade”. Não é minha intenção produzir uma artigo científico, apenas orientar os lerem a pensar sobre questionamentos técnicos e mudanças em conceitos que são apenas opiniões.
“A opinião é pessoal, uma forma de ver, julgar e até pensar. O mais importante de tudo é saber que independente de sua opinião a verdade é absoluta e não é o que você acha que vai mudar o que é real.”
O pensamento científico já difere bastante, são resultados de pesquisa e análise de representações de pensar cientificamente no contexto da cultura organizacional de espaços acadêmicos de formação e produção científicas: laboratórios da área de Ciências Naturais, Biologia e Bioquímica. O objetivo principal foi o de, mediante exercício comparativo, ampliar a compreensão sobre como se dá a representação do pensar cientificamente, entre cientistas. Lefèvre no ano 2000 levou em consideração a análise do discurso do sujeito coletivo. [Pensar cientificamente: representação de uma cultura]
Eentendido o conceito de uma constatação científica e uma opinião, faço a citação deste artigo artigo o qual apresenta um breve panorama da “história da homossexualidade”. Primeiro, a homossexualidade era vista como um pecado e o surgimento da psiquiatria a transformou em uma doença mental. Duas importantes teorias de Krafft-Ebing e Freud serão discutidas em relação a essa medicalização da homossexualidade. O artigo se concentra nos eventos turbulentos que levaram à remoção da homossexualidade do DSM em 1973. As razões e os motivos para essa remoção, como visto por vários psicólogos diferentes, serão discutidos, assim como seu impacto. A eliminação da homossexualidade foi vista como uma vitória, mas mudou a atitude geral em relação a homens e mulheres gays? Na seção final do artigo, uma possível evolução semelhante da aceitação da pedofilia também será discutida. [The turbulent evolution of homosexuality]

O comportamento homossexual é definido como um desvio da normalidade comportamental entre os mamíferos sexuados. [British psychiatry and homosexuality ] e há cerca de 30 anos a OMS (Organização Pan-americana de Saúde) mudou a classificação e passou a não classificar a homossexualidade como doença, promovendo a tentativa de retirada da Classificação Internacional de Doenças (CID). Porém esta classificação permanece, sob um formato científico e que fica discretamente nominado tal e qual a tentativa de camuflagem imposta por grupos de interesses distintos e específicos. [ICD-10 Version:2016 ]

Para seu perfeito entendimento da minha conclusão, devemos ler o artigo “The Implications of Removing Homosexuality from the DSM as a Mental Disorder” que é conceitual, extenso e diverso no sentido de desenvolver uma definição de ‘transtorno mental’ Fazendo uma análise sobre a desclassificação da homossexualidade do Manual Diagnóstico e Estatístico em 1973. Este evento altamente politizado foi entendido como um apelo à psiquiatria para fornecer garantias contra novas classificações erradas com base discriminação ou desvio sociopolítico. Hoje, se uma definição de transtorno mental falha em excluir a homossexualidade, ela falha em fornecer essa salvaguarda contra abusos em potencial o que não é obrigação da Medicina, apenas uma responsabilidade alicerçada na educação social, respeito as pessoas e principalmente o apego a DEUS, que prega respeito e amor por todos os seres, mas em momento algum trocando o conceito do certo pelo errado. Ao consideramos a definição mais recente proposta para o Manual de Diagnóstico e Estatística-5 (DSM-5) à luz dessas observações. Argumentamos que a definição falha em melhorar essas deficiências anteriores. Sua inclusão no manual pode oferecer uma falsa garantia contra a repetição de classificações erradas anteriores. Concluímos com a provocação de que, se as definições candidatas de transtorno mental são incapazes de excluir a homossexualidade, talvez seja preferível não tentar uma definição.[The Implications of Removing Homosexuality from the DSM as a Mental Disorder]

Podemos concluir que respeitando o conceito de normalidade do ponto de vista estatístico ( o que mais representa o pensamento científico) reforçados pela média, moda e até mesmo o desvio padrão são absolutos quando a amostra é significativa.

Um exemplo, diante desta afirmação “a reprodução sexuada dos mamíferos compreende um macho e uma fêmea”. Ao observar a natureza (isto é a base do pensamento científico, estudo da fenomenologia e ocorrências) podemos concluir que somente desta maneira se dá a reprodução. Agora o ser humano desenvolveu técnicas de inseminação e até clonagem, que estão fora da normalidade. Bem, não fica difícil de entender esta premissa.

Agora vamos a um pensamento político, vou citar outro exemplo e que pode ser aplicado a várias ocorrências. As doenças mentais obrigavam a reclusão dos pacientes psiquiátricos. Uma forma de humanizar o tratamento foi acabar com a reclusão, mas eles continuam psiquiátricos e o que aconteceu? O número de pessoas com desordem mental passaram a perambular.

Para sua informação ainda existe o CID10 F66:

Other disorders of adult personality and behaviour

F68.0 Elaboration of physical symptoms for psychological reasons

Physical symptoms compatible with and originally due to a confirmed physical disorder, disease or disability become exaggerated or prolonged due to the psychological state of the patient. The patient is commonly distressed by this pain or disability, and is often preoccupied with worries, which may be justified, of the possibility of prolonged or progressive disability or pain. Compensation neurosis

F68.1 Intentional production or feigning of symptoms or disabilities, either physical or psychological [factitious disorder]

The patient feigns symptoms repeatedly for no obvious reason and may even inflict self-harm in order to produce symptoms or signs. The motivation is obscure and presumably internal with the aim of adopting the sick role. The disorder is often combined with marked disorders of personality and relationships. Hospital hopper syndrome Münchhausen syndrome Peregrinating patient Excl.: factitial dermatitis (L98.1) person feigning illness (with obvious motivation) (Z76.5)

F68.8 Other specified disorders of adult personality and behaviour

Character disorder NOS Relationship disorder NOS Apenasnão mais explicitamente como era anteriormente, porém de uma maneira eufêmica tentam incluir na “normalidade” uma coisa que todos sabem que não é o natural. Em um artigo acima existe a forte vontade destas “classes diferentes” de enquadrar a PEDOFILIA como um padrão de comportamento normal. Não vai demorar que o conceito de “político corrupto” venha a ser imposto pelos políticos que são os responsáveis pela criação das leis, apesar da maioria ser contra, tê-los elegido para legislar pelo correto mas infelizmente a moral acaba prevalecendo no pensamento de cada um. Encerrando, quero deixar claro que nunca discriminei um homossexual, nunca tratei mal, mas eu estudei muito para ter discernimento e entender que é um desvio. Diferente da corrupção e da pedofilia, que em alguns locais são punidas com a execução (tente convencer um país islâmico que homossexual é um comportamento normal), pois neste momento você vai entender a diferença entre opinião e ciência.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove − um =