CYBERGARANTISMO 2020: APOCALIPSE

CYBERGARANTISMO 2020: APOCALIPSE

Fevereiro de 2020. Em um país hipotético sem qualquer relação com fatos reais.

Gleycinho do Amor, 19, é preso em flagrante após estuprar, roubar e matar Antonina da Silva, 28, atendente de telemarketing, que estava acompanhada de seus dois filhos que a tudo assistiram. A cena toda é filmada por câmeras de comércios e condomínios da região.

Imediatamente Gleycinho é levado à Delegacia de Polícia, na qual é submetido a exame médico para verificar se não foi vítima de violência policial.

Em razão do elevado número de crimes e do diminuto aparato policial, o flagrante só é informado pelo delegado ao juiz de garantias 25h depois da prisão.

Gleycinho é levado ao fórum, onde é atendido por uma equipe multidisciplinar de assistentes sociais e psicólogos que verificam suas vulnerabilidade sociais e suas necessidades, providenciando alimentação, roupa e calçado e lavrando laudo técnico para o juiz ponderar sobre a liberdade do detido.

O juiz de garantias responsável pelo rodízio, que acumula, além dessa função, mais duas comarcas, nas quais responde pelas competências de família e sucessões, infância e juventude, fazenda pública, cível, juizado especial cível e criminal, crime, execução penal, execução fiscal, extrajudicial e eleitoral, encontra-se numa cidade a 120 km de distância, atendendo uma medida de abrigamento de criança em situação de risco e violência doméstica e dois pedidos de saúde urgentes, um para medicação de câncer negado pelo SUS e outro de internação em UTI, além de outros pedidos e audiências.

Ao tomar conhecimento da prisão, larga tudo, pega o seu carro e dirige mais de 100 km até a outra cidade, dada a proibição de audiência de custódia por videoconferência, de forma que só consegue realizar o ato 28h depois da prisão de Glaycinho, que aguarda sua chegada alimentado e protegido.

Durante a audiência, verifica-se que Gleycinho possui diversas passagens policiais, incluindo roubo e latrocínio, mas responde aos processos em liberdade com o uso de tornozeleira eletrônica. Gleycinho chora, alegando de forma genérica que foi espancado pelos policiais, embora o laudo médico informe que esteja com saúde perfeita e não tenha nenhuma lesão externa ou interna. Apesar da prisão em flagrante e das filmagens, a defesa alega o princípio da inocência, a truculência policial e pede que o réu responda em liberdade.

A prisão é mantida, considerando a gravidade do delito.

Um dia depois, Gleycinho do Amor é libertado por força de habeas corpus em razão da realização da audiência de custódia após o prazo legal de 24h de sua prisão.

O juiz e o delegado são denunciados às suas respectivas corregedorias e responderão a ação penal como criminosos com base na Lei de Abuso de Autoridade

O corpo de Antonina permanece no Instituto Médico Legal e seus filhos aguardam a chegada do pai, que é motorista de caminhão e estava a dois estados de distância quando recebeu a notícia. Nenhuma das crianças recebeu ainda atendimento médico, psicológico ou de assistência social.

Em razão da demora, o paciente que precisava de UTI morreu antes da decisão judicial ser proferida.

Texto no site: https://www.mementomori.blog.br/blog/cybergarantismo-2020-apocalipse

Os Três Porquinhos “Reaças”

https://www.averdadesufocada.com/index.php?option=com_content&view=article&id=8310:250313-os-tres-porquinhos-reacas-&catid=37&Itemid=86

Felipe Melo
Era uma vez três porquinhos: Cícero, Heitor e Prático. Um belo dia, os três porquinhos decidiram sair da casa de sua mãe e construir as próprias casas. Cícero construiu para si uma casa de palha, Heitor, uma casa de madeira, e Prático, uma casa de tijolos. Cícero e Heitor construíram rapidamente suas casas, enquanto Prático demorou mais para construir a sua, já que era mais difícil erguer paredes de tijolos do que de palha ou de madeira.Certa vez, apareceu um lobo nas redondezas. Movido por sua natureza predatória, o lobo quis devorar os porquinhos. Indo à casa de Cícero, o lobo bateu à porta. Cícero se escondeu, mas o lobo derrubou a casa com seu poderoso sopro, fazendo Cícero fugir. Em seguida, o lobo foi à casa de Heitor, que também se escondeu quando o lobo bateu à porta. Novamente, o lobo usou seu sopro poderoso, derrubando a casa do segundo porquinho, que fugiu para a casa de seu irmão Prático – onde encontrou Cícero, que fugira para lá antes. O lobo, então, foi à casa de Prático. Tentou derrubar a casa, mas não conseguiu, pois a casa de tijolos era bem forte. Então, o lobo empreendeu uma nova tática e, vendo que a casa tinha uma chaminé, tentou usá-la para entrar na casa. No entanto, Prático acendeu o fogo e pôs sobre ele uma panela, que começou a queimar a cauda do lobo. O lobo fugiu, machucado, e os porquinhos ficaram a salvo. Mas não por muito tempo. Dias depois, todos os jornais noticiaram que o pobre lobo havia sido discriminado pelos três porquinhos, que haviam adotado uma postura conservadora e reacionária contra o lobo por não quererem entender a sua natureza. O lobo entrou com uma representação na Secretaria Especial da Igualdade Animal da Presidência da República, que encaminhou o caso ao Ministério Público Animal. O Ministério Público Animal, após alguns dias de investigação, encaminhou denúncia à Justiça Animal contra os três porquinhos por especismo (preconceito contra uma espécie) e tentativa de lupicídio. Diversas ONGs do movimento lupino promoveram “esculachos” na frente da casa dos porquinhos, denunciando o inaceitável conservadorismo suíno. O Conselho Lupinista Missionário publicou uma carta-aberta do lobo, denunciando que o ato cometido contra ele pelos porquinhos representava o genocídio que a nação lupina sofria nas mãos da elite suína. A comoção nacional foi geral. Passeatas foram convocadas nas redes sociais contra o genocídio lupino, os revoltados acrescentando em seus nomes o termo Loboni-Uivoá em homenagem ao pobre lobo. Personalidades animais manifestaram-se no Twitter, deram declarações a jornais e revistas, e até um vídeo foi elaborado com atores de uma prestigiosa emissora de televisão para sensibilizar as pessoas. O Executivo criou a Campanha do Despanelamento com a justificativa de recolher as panelas clandestinas para reduzir os índices de violência e promover uma cultura de paz. As ONGs do movimento lupino entraram com uma ação de expropriação contra os porquinhos com base em estudos que apontavam que aquela região pertencia originalmente aos ancestrais lupinos, expulsos dali pelo agronegócio suíno muitas décadas antes. A Justiça Animal considerou a ação procedente, acatou o pedido e despejou os porquinhos, ordem que foi cumprida pela Força de Segurança Animal, dando a casa para o lobo. Presos, os porquinhos foram condenados pela Justiça Animal pelos crimes de tentativa de lupicídio e especismo, o que rendeu a eles uma pena bastante pesada. Importantes apoiadores da causa lupina, como o Frei Lobonardo Boff, disseram que aquele era um dia especial para todas as vítimas do especismo reacionário dos porcos brancos de olhos azuis, e outros aplaudiram a decisão da Justiça Animal, que certamente representava a valorização das lutas históricas dos povos lupinos. Em tempo: esta é uma adaptação livre de um conto infantil, e se trata apenas de uma pequena obra de ficção. Qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência.
Fonte:http://unbconservadora.blogspot.com.br/

Triste!

https://www.diarioonline.com.br/noticias/para/538409/bebe-recem-nascida-cai-de-incubadora-em-belem_-veja-o-video

https://globoplay.globo.com/v/8038106/

https://www.romanews.com.br/cidade/policia-civil-investiga-crime-de-lesao-corporal-apos-bebe-cair-de/58528/

https://bacana.news/reportagem-do-fantastico-mostra-caso-de-bebe-recem-nascida-que-caiu-de-uma-incubadora-em-belem/

https://www.soudepalmas.com.br/noticia/4963/susto-bebe-recem-nascida-cai-de-incubadora-em-belem-veja-o-video